Sou Agro > Tempo Real > CNA propõe criação de um conselho de preços do boi
10 de julho de 2012
CNA propõe criação de um conselho de preços do boi

Consebov reuniria representantes dos criadores, do comércio, da indústria e da academia, para debater preços e regras transparentes na cadeia produtiva

 

Agência Estado

Dirigentes das federações estaduais de agricultura e de entidades de criadores discutiram nesta terça-feira em Brasília a possibilidade de criação de um “Conselho de Preços do Boi (Consebov)”. O conselho reuniria representantes dos criadores, do comércio, da indústria e da academia, para debater preços e regras transparentes na cadeia produtiva.

Segundo nota divulgada pela Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a queda nos preços pagos ao produtor pela carne bovina e a crescente concentração da indústria da carne indicam a necessidade de um conselho, a exemplo dos existentes para o mercados de cana-de-açúcar (Consecana) e do leite (Conseleite).

Antenor Nogueira, presidente do Fórum Nacional Permanente da Pecuária de Corte da CNA, argumenta que o setor precisa criar regras que proporcionem maior transparência à cadeia, para que se torne mais homogênea. Ele explica que as regras seriam criadas no âmbito do novo Consebov, “que daria condições ao produtor de debater preço e tudo o mais que se relacione à atividade, da fazenda ao varejo”.

Na opinião de Eduardo Riedel, vice-presidente da CNA e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul (Famasul), o conselho contribuiria para um maior conhecimento sobre os diversos elos da cadeia. “Faltam relacionamento e confiança entre o produtor e o frigorífico”, diz.

José Mário Schreiner, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG), argumenta que a CNA deverá capitanear o debate, a partir da definição de linhas de trabalho e dos pontos a serem estudados, como a concentração da indústria da carne. Ele informa que, nos Estados Unidos, o índice de concentração do segmento saltou de 72%, em 1992, para 95%, em 2009. No Brasil, os três maiores frigoríficos em atividade detêm cerca de 90% dos abates, conforme dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/USP).

Outros assuntos citados na reunião e que devem ser aprofundados se referem a criação de um sistema de normatização, tipificação e classificação de carcaças; criação de um seguro antiquebra para os frigoríficos e de um modelo de pesagem dos animais; além de um fundo de marketing para divulgar a carne bovina.

Deixe uma resposta