Sou Agro > Notícias > Brasil Agro > Dilma diz que quer recriar agência federal de extensão rural
28 de junho de 2012
Dilma diz que quer recriar agência federal de extensão rural

“Esse talvez seja um dos maiores desafios do meu governo”, afirmou a presidente

Redação*

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quinta-feira (28), no lançamento do Plano Safra 2012/13, que o governo federal pretende criar uma agência para cuidar da área de assistência técnica e extensão rural. O papel desse tipo de entidade é dar apoio técnico e levar tecnologia aos agricultores e pecuaristas.

“Temos uma certa fragilidade na área de assistência técnica e extensão rural. O governo está construindo uma política para essas áreas e estamos pensando na criação de uma agência capaz de providenciar e disseminar as melhores práticas a partir de protocolos e pacotes tecnológicos, criando e especializando um grupo de agentes públicos que terá ligação com os órgãos de extensão estaduais e cooperativas. Esse talvez seja um dos maiores desafios do meu governo”, disse ela na cerimônia.

Entre os anos 70 e 90, o País contou com a Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Embrater). Extinta a agência, a responsabilidade ficou a cargo dos Estados, mas as poucas empresas de extensão rural estaduais existentes têm atuação restrita por orçamentos pequenos.

A falta desses serviços é apontada por especialistas como um fator limitante para a produtividade agropecuária brasileira, já que muitas tecnologias disponíveis ficam “nas prateleiras” e não chegam até a ponta dos produtores. O assunto foi abordado na série especial do Sou Agro sobre “Onze maneiras para alimentar 7 bilhões”

Ao fim da cerimônia, o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, disse que a assistência e extensão merecem um órgão específico, assim como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) está para a área de pesquisas. Segundo ele, a ideia é que os dois órgãos atuem de forma articulada.

Dilma disse também que o governo trabalha em um Plano Nacional de Armazenagem. Estima-se que o Brasil tenha capacidade de armazenar apenas 70% de sua safra, enquanto a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) recomenda uma capacidade pelo menos 10% superior à produção anual.

*Com informações da Agência Brasil e da Agência Estado.

9 comentários para Dilma diz que quer recriar agência federal de extensão rural

  1. Há um equívoco em se chamar de agência a extinta Embrater, que era uma empresa pública. Ademais, a Embrater não tinha a responsabilidade de prestar assistência técnica a produtores, mas sim coordenar o Sibrater, treinar técnicos e repassar recursos do orçamento federal.
    Por outro lado, se a agência que se pretende criar terá a finalidade de regulação do setor (agência reguladora de prestação de serviços de ATER), terá pouco trabalho, pois não há um “setor” a ser regulado.
    Segundo o Censo Agropecuário de 2006, naquele ano 78% dos produtores não tiveram acesso a nenhuma orientação técnica, e outros 12,7 % só tiveram acesso de forma descontínua (portanto, insuficiente).
    A Lei nº 8.171, de 1991 (Lei Agrícola) dispõe no seu art. 17 que “o Poder Público manterá serviço oficial de assistência técnica e extensão rural, sem paralelismo na área governamental ou privada, de caráter educativo, garantindo atendimento gratuito aos pequenos produtores e suas formas associativas”. Essa competência é concorrente, entre União, estados e municípios. As Emater estaduais já exercem tal serviço, embora com as deficiências apontadas na reportagem, pois seu corpo técnico deveria ser ampliado e mais bem pago (algumas entidades estaduais estão em greve no momento, por melhores salários).
    Não acredito haja disposição (política e financeira) do Governo em criar uma agência e contratar centenas de técnicos, o que também não resolveria o problema, pois a demanda é muito maior.
    Complementarmente o governo deveria conceder crédito subsidiado para que os produtores contratem no mercado os prestadores de serviços de Ater.

  2. Ivan disse:

    como citou o colega Marcus Peixoto:”
    “Segundo o Censo Agropecuário de 2006, naquele ano 78% dos produtores não tiveram acesso a nenhuma orientação técnica, e outros 12,7 % só tiveram acesso de forma descontínua (portanto, insuficiente).
    Ou seja se os Produtores, Agrônomos conseguiram esse resultado sem ajuda eu peço para p governo não atrapalhe como exemplo caso do código florestal e peço para INVESTIR EM INFRA-ESTRUTURA (rodovias, portos,hidrovias,) DEFESA SANITÁRIA não precisamos outra agência, investir mais na EMBRAPA seria mais inteligente pois ja tem estrutura, conhecimento… teria apenas de ampliar e repassar o dinheiro para as Emater , nao precisamos mais agência, não precisamos inchar mais ainda a maquina pública…..tao simples.

  3. divino mesquita disse:

    Não precisa criar mais cabides de empregos e apadrinhamentos politicos, basta contratar profissionais capacitados. Com assistencia tecnica se produz mesmo com pouco recurso e a recíproca não é verdadeira!

  4. D. GOMES disse:

    Só espero que estes novos “técnicos” não venham a ensinar os agricultores e pecuaristas como plantar árvores.

    Porque de árvores, os heróis do campo já estão fartos!

  5. D. GOMES disse:

    É verdade, já temos tantos órgãos…

    A EMBRAPA até que é eficiente, mas a EMATER tem de ser modificada, porque na realidade eles fazem muito pouco daquilo que deveriam fazer. Talvez a culpa seja d Governo que cria órgãos e depois abandona só para aparentar que está atuando.

  6. Quem não entende do assunto acha lindo o discurso e toda ideia de se criar nova agência, mas vendo os comentários dá pra se ter a noção do que sempre aconteceu e, pelo jeito, continuará acontecendo.

  7. José Adilson de Oliveira disse:

    À luz do que a gente vê acontecer cotidianamente no Brasil os comentários que li até agora estão certos. Entretanto, proponho uma visão diferente: acredito que seria importante a criação de um órgão (também não me agrada a idéia de agência,)que tivesse a responsabilidade de reativar e coordenar o Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária – SNPA, integrando a Embrapa, as Universidades e as Organizações Estaduais de Pesquisa Agropecuária – OEPAs. Esta integração otimizaria os esforços e, certamente, os resultados e, isto seria muito bom para o país e para a sociedade em geral.

  8. Ádila Oliveira disse:

    De fato Márcio Patrocinio, acompanho as notícias divulgadas no ‘Sou Agro’, e vejo muita demagogia entre União-Orgãos, tudo de certa forma, tentando ludibriar uma realidade totalmente diferente. Confesso que não entendo muito do assunto, e como cita o nosso colega Marcos Peixoto temos que estar/ficar de olho em todo o que falam, informações fraudulentas saem a todo momento. E concordo plenamente com a frase do nosso outro colega D. GOMES “Porque de árvores, os heróis do campo já estão fartos!” o que me remete a uma canção chamada ‘caipira’ e há um trecho que faz referência à realidade de quem produz: “Trago a roça bem plantada Pra servir meu país”.

  9. Ralfe disse:

    Entendo a estrategia do Executivo perfeitamente. Não se trata de regular o setor de maneira monofocal, como alguns comentaram. Sim, esse é um principio da uma agencia reguladora, mas o caso aqui é outro. Trata-se de bem utilizar o “aparato” ja bem consolidado pelas agencias ate aqui. Uma agencia reguladora é uma entidade dotada de certa independencia e isso significa a capacidade de perpertuar politicas sem significantes abalos diante mudanças de governo. É justamente por ai, não deixar que a intenção fique a merce da boa vontade dos governantes.

Deixe uma resposta