Sou Agro > Notícias > Para Dilma, agricultura brasileira pode superar crises
28 de junho de 2012
Para Dilma, agricultura brasileira pode superar crises

No lançamento do Plano Safra, presidente destaca capacidade do agro de gerar emprego, renda e proteção contra a crise financeira mundial

2012
28 de junho
14:01hs

Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff disse, na manhã desta quinta-feira, na cerimônia de lançamento do Plano Agrícola e Pecuário 2012/2013, no Palácio do Planalto, que a agricultura brasileira é capaz de superar crises. “A agricultura, no Brasil, conquistou um estágio que o seu nível de competitividade é capaz de recuperar as crises. Nós sabemos que o mundo, por mais tecnológico que se transforme, jamais prescindirá de energia e de alimentos.”

Dilma destacou que nesta quinta-feira está sendo lançado o plano de safra da agricultura comercial e que, na próxima semana, o governo lançará o plano de safra da agricultura familiar. “Considero que é obrigação do País ter consciência da importância de tomar medidas cabíveis pra expandir cada vez mais o caráter avançado da nossa agricultura, que para nós é estratégico”, ressaltou.

A presidente garantiu que a produção agropecuária terá todos os recursos necessários e que não haverá restrição de recursos para plano agrícola e pecuário. “Quero assumir o compromisso manifestado pelo ministro Mendes Ribeiro Filho, da Agricultura, de que não haverá restrições de recursos”, disse Dilma. Ela destacou que o Brasil saiu de R$ 27 bilhões para R$ 115 bilhões no financiamento da safra. “Isso mostra que o Brasil mudou, que podemos comemorar o fato de que a nossa força consiste nessa combinação: produtores rurais e governo federal.”

Juros
Dilma frisou que a agricultura também está sendo beneficiada por redução de juros. “A redução da taxa de juros, movimento que estamos vendo ocorrer em toda a economia, é uma marca desse plano também. A agricultura também está sendo beneficiada por essa redução”, declarou.

A presidente afirmou que “estamos nesta safra oferecendo mais recursos com taxas de juros menores”. Segundo ela, a redução da taxa de juros que está ocorrendo em toda a economia é “uma marca deste plano também”.

Para a presidente, o Brasil é um dos poucos que conseguem se proteger dos efeitos perversos da crise. “Nosso agronegócio tem um potencial de gerar renda, emprego e mostrar que o Brasil consegue, um dos poucos países que consegue criar uma relativa proteção em relação aos efeitos perversos dessa crise de dívida soberana e bancária que afeta o mundo”, declarou Dilma.

Ambiente
Dilma afirmou ainda que os dados sobre a expansão da agricultura no País mostram que o “crescimento não é incompatível com a preservação ambiental”. Ela destacou que um ponto importante para mostrar qual é a posição do Brasil no que se refere à questão do desenvolvimento sustentável é o fato de “ser possível afirmar que nós conseguimos crescer na nossa agricultura em 180% e, ao mesmo tempo, ter um crescimento de apenas 32% na área”.

“Isso é crucial, porque mostra que somos capazes de crescer com área relativamente reduzida, o que mostra que o crescimento não é incompatível com a preservação ambiental”, disse, destacando ainda que a agricultura brasileira é capaz de incorporar as melhores práticas na área de baixo carbono, o que mostra que “somos um País especial”.

Extensão rural
A presidente informou que o governo está pensando em criar uma agência de assistência técnica e extensão rural, para resolver o que ela considera uma das grandes “fragilidades” do setor. “Esse talvez seja um dos maiores desafios do meu governo e ele implica algo que considero fundamental, que é dar uma contribuição ao conjunto da agricultura desse País, do nível de conhecimento técnico que atingimos. Essa contribuição é uma forma de democratizar conhecimento.”

Segundo ela, o País tem essa obrigação, e a agência só pode existir em cooperação com os ministérios da Agricultura e Desenvolvimento Agrário e a Embrapa, que é a “grande produtora de conhecimento, junto com todos os laboratórios e institutos de pesquisa e o conjunto dos produtores”.

“E nós, ao fazermos isso, estaremos também dando um dos maiores passos nesse País para firmar o que é a característica da nossa agricultura, agricultura que usa de fato a quantidade de terras, a água, mas ela consegue agregar o valor da capacidade produtiva”, afirmou.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do total de recursos previstos no Plano, R$ 86,9 bilhões destinam-se ao custeio e à comercialização da produção. Já os programas de investimentos vão receber R$ 28,2 bilhões.

Além do aumento de 7,5% em relação ao crédito da safra anterior, o Plano Agrícola e Pecuário reduz de 6,75% para 5,5% a taxa anual de juros controlada, o que representa uma diminuição de 18,5% nos custos dos financiamentos para o produtor rural. O total de recursos com taxa de juros controlada será de R$ 93,9 bilhões.

2 comentários para Para Dilma, agricultura brasileira pode superar crises

  1. D. GOMES disse:

    Capaz de superar crises?

    Está chegando o momento dos agricultores perderem parte de suas terras e ainda terão de plantar mato para recuperar as APPS.

    Daí, quero ver como tal crise será superada, vai cair tudo.

  2. D. GOMES disse:

    “..a agricultura brasileira é capaz de incorporar as melhores práticas na área de baixo carbono, o que mostra que “somos um País especial”..??

    Acorda, Presidenta!!!

    Política de baixo carbono é a mesma coisa que andar para trás, e isso vai retardar o nosso desenvolvimento.

    Se os cientistas entre si se divergem sobre esta questão, como a senhora tem a coragem de abraçar esta política de baixo carbono?

Deixe uma resposta