Sou Agro > Mundo Agro > Gente > Coluna lateral da Home Page > Sem o produtor rural ninguém come, diz o ex-goleiro Marcos
3 de maio de 2012
Sem o produtor rural ninguém come, diz o ex-goleiro Marcos

Marcão é pecuarista em sua cidade natal Oriente (SP), onde cria gado Nelore

Ronaldo Luiz, de Ribeirão Preto (SP)

O ex-goleiro Marcos do Palmeiras e da seleção brasileira fez uma visita rápida à Agrishow nesta quarta-feira (02). Fora dos gramados, desde que se aposentou no início do ano, Marcos atua agora em outro campo, literalmente.

Marcão, como ficou conhecido, é pecuarista. Ele cria gado Nelore em sua fazenda, localizada em Oriente (SP), sua cidade natal. “É uma coisa de família, de muitos anos, do meu pai, irmãos”, disse ele ao ser questionado pela reportagem do Sou Agro porque “mexe” com gado.

Para Marcão, o meio urbano ainda não entende direito o que é a agricultura, a pecuária, o agro como um todo. Segundo ele, há uma distância entre cidades e campo que provoca isso. No entanto, Marcão ressaltou que “as pessoas das cidades precisam entender que sem o produtor rural ninguém come”.

9 comentários para Sem o produtor rural ninguém come, diz o ex-goleiro Marcos

  1. Sérgio Ildefonso disse:

    Se ele fosse atacante diria que era um golaço, mas como o Ceni faz gols – porque São Marcos não o faria, impecável nos campos e agora em outros campos engrandecendo aos PALMEIRENSES e demais brasileiros que vivem do agronegócio.

  2. Eduardo disse:

    Boa Marcão… O Agro é sem dúvida uma das maiores riquezas deste país. A distancia entre a cidade e o campo prejudica no entendimento da importância deste setor e, por vezes, cria distorções e boicotes dos próprios brasileiros. Do Agro sai comida, roupa, combustível, moveis entre outros produtos. Entender a complexidade deste setor e não reduzi-lo aos problemas em áreas periféricas e de conflito é o desafio de todos os brasileiros para garantir sustentabilidade e desenvolvimento.

  3. Leandro Franklin de Mello disse:

    Muito bom Marcos. Sou Engeheiro Agronomo e podemos perceber essa distância nitidamente o que acaba com o “valor” das pessoas do campo.

  4. Adiel disse:

    …ótima Marcos, sou projetista de agrofloresta, e realmente essa distancia atinge tambem as instituições financeiras que colocam muuuuuuuuiiiitas dificuldades para os recursos do Governo Federal que estão disponíveis para nós podermos conseguir.
    Parabens…

  5. José Armando Nogueira disse:

    Marcos, um palmeirense declarado deixa um são-paulino feliz. É uma declaração muito sensata, de quem pegava o couro do boi a unha, sob a forma de bola. E agora cuida do boi no pasto. É isso mesmo, os urbanos e certos urbanóides continuam acreditando que feijão nasce nas prateleiras do mercado e que o filé chega até a mesa por obra e graça do chef. Não têm a menor ideia do que é enfrentar chuva na hora errada, falta de chuva na hora certa, juros, burocracia, pragas, doenças nas lavouras e nos pastos. E ainda sofrer ameaças do próprio governo que deixa o Ministro da Agricultura fora da agenda. E talvez dê a mão a ongueiros finananciados por quem quer ver o Brasil andar para trás. Xô, veto de Dilma!

  6. Marcão
    É isto aí: o importante é ser AGRO, com ou sem fazenda, com é melhor ainda, que também é o meu caso.
    Nosso papel é mostrar pra turma das cidades o verdadeiro valor do AGRO, que infelizmente a maioria não conhece e “compra fácil” estas barbaridades que os ambientalistas de plantão ficam plantando na imprensa por puro interesse político de se elegerem deputados ou pra algum cargo remunerado numa ONG com os cofres cheios de grana que veio sabe-se lá de onde.
    Vamos botar a boca no trombone Marcão/abraço

  7. Israel Alves de Oliveira disse:

    Sem o produtor rural, não só não se come, também não tem cidade e não tem vida.

  8. Layane disse:

    O agronegócio é sem duvidas o que move o brasil e garante o alimento de todos. Precisamos que mais pessoas que divulgem a importancia do agro na sociedade.

Deixe uma resposta