Sou Agro > Tempo Real > Stephanes critica demora no desembarque de fertilizantes em Paranaguá
22 de agosto de 2012
Stephanes critica demora no desembarque de fertilizantes em Paranaguá

Ex-ministro reclama que espera de até 30 dias pelos navios eleva o custo dos insumos

Agência Estado

O deputado federal e ex-ministro da Agricultura Reinhold Stephanes (PSD-PR) criticou o atraso na entrega de fertilizantes por causa da fila de navios que aguardam para o desembarque do insumo no porto de Paranaguá. Ele observou que na sexta-feira (17) dos 113 navios que aguardavam ao largo 49 eram de fertilizantes. “Isso significa que será necessário mais de trinta dias para o desembarque, o que é inadmissível, considerando-se que o tempo parado representa um aumento considerável no preço do insumo”, diz ele.

O ex-ministro observa que um navio com trinta toneladas, parado, custa em média US$ 30 mil por dia. “Com isso, o valor dos fertilizantes tende a ficar mais alto nos próximos dias, uma vez que os prejuízos de logística com os atrasos devem ser agregados ao custo final do produto”, destaca Stephanes. O Brasil importa mais de 70% dos insumos utilizados na formulação dos fertilizantes e que a grande maioria chega ao País por meio do porto de Paranaguá, diz ele.

Segundo Stephanes, “o que mais preocupa é que não vemos por parte do governo federal ou do Ministério da Agricultura, nenhuma iniciativa para evitar o desabastecimento e garantir o plantio da próxima safra. O governo precisa agir, ter um plano de contingência para situações como essa”. O deputado lembra que o problema no desembarque é constante e que há necessidade de mais investimentos para a modernização e adequação dos portos à demanda existente.

Ele lembra que, além da questão da deficiência nos portos, ainda falta ao país um plano nacional de fertilizantes “que objetive conter ou minimizar a dependência do produto importado e que se transformou em um grande gargalo para a renda do produtor e para a competitividade brasileira na agricultura”. Stephanes afirmou que há pelo menos cinco anos vem insistindo na necessidade do plano de fertilizantes. “O Brasil tem condições de se tornar autossuficiente na produção de fertilizantes. O que precisamos é considerar o potencial excepcional do Brasil para explorar jazidas tanto de fósforo quanto de potássio, além de modernizar a legislação existente”, diz ele.

Um comentário para Stephanes critica demora no desembarque de fertilizantes em Paranaguá

  1. Cesar G. Novak disse:

    Enquanto o Brasil não acordar com relação ao entrave logístico, estaremos cada vez perdendo oportunidades e dinheiro à nossos concorrentes da própria América Latina. Um navio aguarda 30 dias p/descarregar no porto, a industria mais 15 dias para misturar e embalar o produto, e o caminhão mais 10 dias para entregar na propriedade cfe a região do MT ou GO. Aí se vão 2 meses de espera para o agricultor plantar, e, ainda tem que pagar um preço mais elevado pelo produto. Se tivéssemos um porto ágil com ferrovias descentes pelo Brasil, esse tempo, com certeza reduziria a 30 dias, e, o custo, no mínimo U$ 30 por tonelada, que já seria uma grande economia para o agricultor.
    Enquanto isso, vamos de promessa em promessa vendo nossos concorrentes crescer e ganhar mais dinheiro que nós.
    Cesar G. Novak
    Mangueirinha/PR

Deixe uma resposta