Sou Agro > Notícias > Brasil Agro > Tecnologia é principal responsável pelo crescimento da produção de grãos
13 de julho de 2012
Tecnologia é principal responsável pelo crescimento da produção de grãos

Conclusão é de um novo estudo da Embrapa, baseado nos censos agropecuários do IBGE

Redação*

Um novo estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) concluiu que a tecnologia é o aspecto mais importante para explicar o aumento da produção de grãos no País. O relatório, do pesquisador Eliseu Alves, aponta que cerca de 500 mil estabelecimentos com acesso a tecnologias modernas foram responsáveis por 86,65% de toda a renda agrícola de 2006, com base no último censo agropecuário do Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE).

No mesmo período, 3,9 milhões de propriedades que ficaram à margem da modernização responderam por somente 13% da produção. “Somente a adoção de tecnologia pode desconcentrar a renda e gerar bem estar nos campos. Terra sem este fator preponderante não melhora a vida de ninguém”, afirma Alves.

A partir do estudo do Censo Agropecuário do IBGE de 1995/96, concluiu-se que, à época, os principais fatores para o crescimento da produção de grãos eram, respectivamente, a tecnologia (50,6%), a mão-de-obra (31,3%) e a terra cultivável (18,1%). Já em 2006, o fator tecnológico atingiu o patamar de importância de 68,1%, enquanto a mão-de-obra e a terra tiveram os índices reduzidos para 22,3% e 9,6%, respectivamente.

O estudo foi apresentado nesta sexta-feira (13) ao ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, e será utilizado para nortear políticas públicas, segundo nota. “A ampliação da área cultivável perde importância para a modernização das propriedades brasileiras, o que levaria ao desenvolvimento de programas de apoio específicos”, diz o texto do ministério. 
Outras questões que também deverão ser analisadas implicam na assistência técnica e em medidas de modernização das fazendas que estão à margem desse processo.

De 1960 a 2010, a produção de grãos do País aumentou 774% enquanto a área de cultivo apenas dobrou, de 22 milhões de hectares para 47,5 milhões de hectares. Se a tecnologia que utilizamos hoje fosse a mesma de 50 anos atrás, seria necessário aumentar em oito vezes a área para o cultivo.

Deixe uma resposta